consulta médica

Quais os sintomas de arritmia no coração?

Isso, gostaria de saber um pouco mais sobre…

Arritmia Cardíaca No tratamento você tem a opção de saber as causas; sintomas; tipos de tratamentos; e opções de medicamentos.

O coração humano é, sem dúvida, um dos órgãos mais importantes do nosso organismo.

Logo, nós devemos cuidar melhor dele a fim de evitar problemas, como a arritmia cardíaca, por exemplo.

É verdade!

Mas como exatamente funciona o coração?

O nosso coração é uma bomba automática que trabalha sem parar de forma sincronizada.

Dessa forma, esse músculo cumpre a sua função primária de manter o nosso organismo ativo.

Contudo, quando nós sofremos alterações no ritmo do coração os nossos batimentos ficam desordenados.

Ou seja, a arritmia cardíaca altera os batimentos, tornando eles mais rápidos ou lentos.

Nós podemos sentir a arritmia cardíaca em diversas situações do nosso cotidiano.

Por exemplo, se você faz atividades físicas, sofre com estresse ou durante o sono seu coração bate mais rápido ou não.

Contudo, muitas pessoas sofrem com arritmias patológicas que são prejudiciais à saúde e ao bem-estar.

Tanto homens quanto mulheres e crianças de qualquer idade podem sofrer com arritmias.

Os casos mais comuns são de pessoas que apresentam a fibrilação atrial, correspondendo a 1% da população mundial.

Segundo especialistas, até 2050 é possível que os casos de fibrilação atrial dupliquem ou tripliquem.

Entendi, mas quais são as causas?

Médicos afirmam que a arritmia cardíaca pode ser desencadeada por diversos fatores.

Muitos pacientes desenvolvem esse problema porque têm quadros de doenças cardíacas no seu histórico.

Além disso, outras causas associadas ao problema são:

  1. – Apneia do sono
  2. – Consumo de bebidas com energéticos
  3. – Consumo em excesso de álcool
  4. – Defeitos congênitos
  5. – Estresse
  6. – Genética
  7. – Idade
  8. – Hipertireoidismo e hipotireoidismo
  9. – Tabagismo
  10. – Tensão emotiva
  11. – Obesidade
  12. – Covid-19
  13. – Tecidos do coração que foram lesionados
  14. – Efeitos colaterais de medicamentos usados para alergias ou infecções respiratórias

Certo!

E os sintomas, como identificar?

A nossa frequência cardíaca pode mudar de acordo com o momento.

Por exemplo, quando nós dormimos é considerado normal ter de 50 a 100 batimentos por minuto.

Se nós ficamos estressados ou praticamos atividades físicas esses números tendem a aumentar.

Médicos afirmam que batimentos cardíacos com frequências lentas ou rápidas demais são anormais.

Mesmo que não perceba a princípio, uma pessoa não está com o ritmo cardíaco considerado saudável.

Logo, ela pode sofrer com os sinais dessas frequências irregulares no coração.

Assim, é importante que nós identifiquemos o principal sintoma da arritmia cardíaca, os batimentos anormais.

Cada pessoa deve reconhecer o seu padrão a fim de identificar mudanças durante atividades cotidianas.

Ademais, outros sintomas possíveis da arritmia são problemas para respirar, tontura e até desmaios.

Entendi, então é de extrema importância a procura de um médico, certo?

Nós devemos prestar atenção as palpitações no peito que continuam a persistir.

É necessário que a pessoa investigue e procure saber do seu histórico familiar com o problema.

Segundo médicos, é importante que nós prestemos atenção aos desconfortos entre o umbigo e o queixo.

É provável que seja um aviso de um futuro ataque cardíaco.

Porém, o principal sinal que devemos procurar são dores no peito, sintoma básico da isquemia de doença coronariana.

Casos de pessoas com esses problemas e sinais têm se tornado cada vez mais comuns entre clínicos gerais.

Se houver uma complexidade maior do caso, o paciente será encaminhado para o cardiologista.

Tudo porque há risco de algumas pessoas terem cardiovasculares, como embolia arterial que levaria a um AVC.

Certo, mas eu ouvi falar que existem grupos de risco, é verdade?

Como nós escrevemos antes, qualquer pessoa pode apresentar uma arritmia cardíaca em qualquer idade.

Entretanto, idosos e homens têm mais chances de desenvolverem fibrilação atrial.

Pessoas hipertensas, com valvopatias e arteroclerose estão no grupo de risco.

Entendi, e hoje quais são as opções de tratamentos?

De acordo com médicos, a adoção de hábitos saudáveis ajudam a amenizar os casos de arritmia cardíaca.

Além disso, nós devemos prestar mais atenção aos fatores que descrevemos acima que desencadeiam o problema.

Por isso que é tão importante que nós façamos visitas regulares ao cardiologista para acompanhar a saúde do coração.

O tratamento para arritmia cardíaca consiste em reduzir ou acabar com os sintomas e riscos do problema.

A boa notícia é que muitas pessoas conseguem essa proteção mudando os seus hábitos cotidianos.

Caso o paciente tenha uma condição grave, ele deve receber medicamentos e dispositivos que ajudam a controlar a arritmia.

Assim que o paciente diminuir os sintomas e riscos ele evitará complicações e sequelas.

Logo que a causa do problema for identificada, o cardiologista receitará:

  1. – Antiarrítmicos para controlar e prevenir a arritmia
  2. – Remédios para controlar e tratar as doenças associadas, como insuficiência cardíaca ou hipertensão
  3. – Alterações no estilo de vida, como atividades físicas leves e alimentação adequada

Certo, e os casos cirúrgicos, como são?

A princípio, pacientes com caso grave precisam de cirurgias para iniciar o tratamento para arritmia cardíaca.

Os procedimentos cirúrgicos mais recorrentes são:

  1. – Colocar marca-passo, um implante para controlar os batimentos lentos
  2. – Ablação, um tubo fino com radiofrequência que cauteriza os pontos focais da arritmia no coração. Muitos pacientes se curam da arritmia por causa dessa técnica
  3. – CDI, conhecido como cardioversor-desfibrilador implantável. Ele funciona como um marca-passo, de modo que controla os batimentos cardíacos. Além disso, o paciente consegue reverter quadros malignos de arritmia com uma espécie de choque que evita paradas cardíacas.

Entendo, mas existe algum modo de prevenir?

Segundo cardiologistas, não é possível prevenir a arritmia cardíaca em muitos casos.

Dessa forma, nós devemos nos acostumar com um estilo de vida saudável para diminuir qualquer risco.

Pessoas que já fazem o tratamento para arritmia cardíaca devem continuar a terapia conforme as instruções médicas.

Ademais, nós podemos adotar hábitos que diminuem os riscos do problema surgir, como evitar fumo, álcool e energéticos.

Assim que nós compreendemos as causas da arritmia cardíaca entendemos como evitá-la.

Se não for possível evitar o problema, com certeza aprenderemos a lidar com ele.

O importante é que nós tenhamos consciência de nossas limitações a fim de garantir a nossa qualidade de vida.

Ademais, é importante que nós façamos visitas periódicas ao cardiologista.

Desse modo, acompanharemos nossa saúde cardíaca e evitaremos problemas maiores.

Talvez não seja possível prevenir, mas você, com certeza, consegue tratamento para arritmia cardíaca, garantindo uma qualidade de vida melhor.

Que ótimo Mike, muito bom!!

Bem esclarecedor!

Obrigado, que bom que gostou! 🙂